Definição

A International Association for the Study of Pain (IASP) define dor como:

 

" Dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável, associada a uma lesão tissular real ou potencial, ou descrita em termos de tal lesão."

 

 

  • Dor Aguda

    Em geral a dor aguda se associa a uma lesão tissular imediata e é de duração limitada, menos que três meses. A dor dá início a um estado de alerta, a partir da ativação do sistema simpático. O paciente experimenta vasoconstricção, aumento da frequência cardíaca e uma fisiologia de "luta e fuga". Numa linguagem mais popular, o paciente fica vermelho, suando frio e com o coração na boca. Além disso, mostra-se frequentemente inquieto e agitado. Exemplos de dores agudas: Dor do trabalho de parto , infarto do miocárdio, dor após queda com torção ou fratura ou luxação de membro. O tratamento ideal é a imediata e suficiente administração de analgésicos, em conjunto com tranquilização e apoio. Costuma responder bem ao tratamento.

  • Dor Crônica

    Geralmente se perpetua por longo tempo depois da lesão tissular já se ter resolvido ou curado, de modo que não há razão óbvia para a dor. A adaptação fisiológica ao estímulo doloroso persistente pode acompanhar-se dos seguintes sinais e sintomas: sintomas depressivos, anorexia, fadiga, insônia ou hipersonolência, irritabilidade ou labilidade emocional, falta de iniciativa e inatividade. Exemplos de dores crônicas: Lombalgia, enxaqueca, fibromialgia, neuralgia pós herpética, dor do trigêmio. A conduta ideal requer uma abordagem multiprofissional da pessoa como um todo e cuidados a longo prazo. O tratamento não é fácil e dependerá muito da adesão do paciente, do apoio familiar e de uma boa relação médico-paciente.

 "Existem vários tipos de dor, seja ela aguda ou crônica, não devemos negligenciá-la nunca, pois muitas vezes ela é um sinal de alerta de que algo de errado está acontecendo com seu corpo."

 

                 (Dra. Ingrid Mariz Araguez)